terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Vitória sofrida

7.ª Consecutiva, um record esta época, mas foi um sofrimento, um acto de auto-flagelação.
Com o jogo controlado, a vencer 3-0, a equipa conseguiu abanar e dar ao nacional a ilusão que poderia vir a empatar o jogo a 3 antes do Jara estabelecer o 4-2.
Diga-se que após um começo titubeante, o Benfica exibiu futebol de primeira durante cerca de 35 minutos para acbar a primeira parte a ser novamente dominado. O 2-0 ao intervalo não fazia justiça ao bem que o Benfica tinha jogado.
Na segunda parte, nova entrada a dormir e depois o 3-0 serenou a equipa. As entradas de Martins, completamente desastrado e de Jara, não muito inspirado, levaram o Nacional a aumentar a pressão e com a concretização do primeiro golo, a 15 minutos do final, num lance de bola parada a acreditar que poderiam ir mais além. O Benfica tremeu, como tremeu contra o Lyon e sofreu o 3-2 a 5 minutos do fim, mas após uma brilhante jogada de Saviola, o melhor do Benfica, apesar de não ter marcado esteve em 3 golos, Jara concluiu de cabeça o 4-2 ponto um ponto final no jogo.
Roberto - 2 grandes defesas, 2 golos sofridos, talvez pudesse fazer um pouco melhor no primeiro, mas não foi por ele que a equipa se intranquilizou
Maxi - Muito cedo levou o amarelo que lhe tirou algum vigor
Luisão - Embora demonstrando grande segurança defensiva poderia ter feito melhor no segundo golo do nacional, brilhante assistência de calcanhar para o golo de Cardozo
Sidnei - Bom golo de cabeça apesar da colaboração de Bracali, defensivamente não consegue compensar o Luisão em velocidade, pelo que o centro da defesa fica muito vulnerável em jogadas rápidas
Coentrão - Apesar de ofensivamente estar em bom plano, defensivamente fica associado ao 2 golos, por se deixar antecipar
Javi - Bem a construir, sentiu algumas dificuldades com a quebra física de Gaitán e Salvio e o desacerto de Martins, visto ter ficado muito isolado no meio-campo
Salvio - Excelente a construir mas revelou uma quebra significativa a partir dos 65 a 70 minutos
Gaitán - marcou o primeiro golo, fez alguns bons passes, mas por vezes perde-se por querer fazer uma finta a mais em vez de passar logo a bola. À semelhança de Salvio foi desaparecendo na segunda parte
Aimar - O Mago está de volta, se bem que ao ritmo elevado apenas aguente meia parte. Assistiu Sidnei ao marcar um canto perfeito. Porém a sua substituição agravou os problemas que o Benfica vinha sentindo na segunda parte
Saviola - Jogo enormíssimo com muitas jogadas boas e participação em 3 dos golos do Benfica, aproveitou a sobra da falta sobre o Salvio para rematar para defesa in extremis de Bracali que permitiu o golo de Gaitán. No terceiro golo, evitou, ao segundo poste, que se perdesse o canto de Gaitán e no último golo fez uma soberba jogada com um cruzamento teleguiado para a cabeça do Jara.
Cardozo - Apesar de pouco em jogo, prendeu sempre um dos centrais do Nacional libertando as movimentações de Saviola e muito oportuno marcou o terceiro golo
Martins - Desastrado, nada lhe saiu bem e não ajudou particularmente o Javi
Jara - Muito trapalhão, não conseguiu prender nenhum defesa do Nacional atrás, mas marcou um golo cheio de oportunidade e vital para assegurar a vitória
Menezes - Entrou depois do 4-2 para fazer um remate

1 comentário:

kapotes disse...

Excelente analise bcool973.
O importante foi conseguido, vencer uma das filiais dos corruptos, eles bem tentaram ainda arranjar problemas já que não conseguiram vencer.

Grande abraço Bcool973