sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Superdragões acusados de traficar mulheres

As ligações obscuras do FCP aos Super Dragões e a acusação de tráfico de mulheres.

Diziam-lhes que o bilhete de avião seria pago pelos proxenetas portugueses que depois tratavam de as legalizar. Suspeita-se de que o destino daquelas mulheres fosse serem mantidas em piores condições do que aquelas que usufruíam no Brasil; eles foram presos após várias recusas do SEF, em Portugal, para que elas entrassem no nosso país.
Luciano, Bruno Sousa e Bruno Moreira foram detidos pela Polícia Federal brasileira quando se encontravam no Recife e estão em prisão preventiva até julgamento.
Luciano é do Porto e conhecido adepto do clube mais representativo da cidade. A sua ligação à claque Super Dragões é de tal forma intensa que a sua palavra é recebida como a de um líder.
No estádio tem a mesma liberdade de movimentos que qualquer outro responsável da mesma claque, advindo muito da sua importância nos Super Dragões com ligações familiares a ex-atletas do clube.
Ainda segundo o CM apurou, os três portugueses foram inicialmente alvos de uma busca quando se encontravam em Palmas. Mesmo assim, e não obstante estarem impedidos de se ausentar daquela morada, fugiram para o Recife. Bruno Sousa, de 27 anos, e Bruno Moreira, de 29, foram apanhados em Boa Viagem; Luciano foi preso em Abreu e Lima.
As autoridades brasileiras deram ainda conta de que o trio tentava viajar para Portugal quando foi interceptado. Foram conduzidos à cadeia de Parentibe Cotel, em Abreu e Lima, no Recife, estado de Pernambuco, onde foram interrogados e sujeitos à medida de coacção de prisão preventiva.
Documentos encontrados na posse dos portugueses apontam ainda para o facto de Portugal poder não ser o único destino destas mulheres.
Algumas poderiam também ser colocadas no ‘mercado’ espanhol, havendo ainda algumas mulheres que terão chegado ao nosso país por via terrestre, depois de aterrarem no país vizinho. 

MULHERES POBRES À PROCURA DE SONHOS
As regiões mais pobres do Brasil são o local preferido para os traficantes angariarem mão-de-obra. Um estudo feito em São Paulo dá conta da existência de 241 rotas de tráfico no país.

SEM DOCUMENTOS PARA REGRESSAR
No nosso país, muitas destas mulheres ficam sem os documentos. Algumas são escravizadas, tendo de entregar quase tudo o que ganham aos proxenetas. Mesmo que queiram não podem regressar.

Fonte:
Correio da Manhã
28 Julho 2009

3 comentários:

Manuel disse...

Post muito interessante, nomes de locais familiares.

Abraço.

Viriato de Viseu disse...

Aquilo lá no seio dos super-dragays é tudo assim.

Dizem que também o Reinaldo Casinos lhes empresta mulheres para chularem.

Vendem também bilhetes na candonga mas vendidos por velhotes, com eles de perto a vigiarem.
Ainda há dias foi noticiado a prisão de um desses "velhotes" que pediu aos policias pela alminha de que lá têm, para o não levarem preso, para não sofrer represálias daqueles chulos.

É sempre em frente...sempre em frente, a corruptar e mafiosar.

VHugo disse...

E não acontece nada!

http://forcamagicoslb.blogspot.com/2010/12/missao-cumprida.html